Pontepretano

More J. Hawila, ex-presidente da Trafic e delator no escândalo do caso Fifa

Morreu na manhã desta sexta-feira (25), aos 74 anos, o advogado, jornalista e empresário J. Hawilla. Ele estava internado desde segunda-feira (21) no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, com problemas respiratórios.

J. Hawilla tinha retornado ao Brasil há cinco meses, depois de passar cinco anos morando nos Estados Unidos. O empresário deixa esposa, três filhos e seis netos.

O caso Fifa

Hawilla era réu confesso no chamado “Caso Fifa”, maior investigação sobre corrupção no futebol mundial, que tem mais de 40 réus – entre eles o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, que foi condenado e está preso enquanto aguarda sua sentença. A sentença de Hawilla seria dada em abril pela Justiça dos Estados Unidos, mas foi adiada para o dia 2 de outubro.

Segundo os promotores que atuam no caso, a colaboração de Hawilla foi decisiva para a condenação nos EUA do ex-presidente da CBF, José Maria Marin, e para a suspensão do atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, de todas as atividades relacionadas a futebol.

O dono da Traffic confessou ter subornado dirigentes de futebol desde 1991. Em 2015, ele foi condenado a pagar uma multa de US$ 151 milhões.

Desde o início de fevereiro, J. Hawilla estava no Brasil. Pelo acordo que fez com as autoridades dos EUA, ele precisaria estar presente ao Tribunal Federal do Brooklyn em outubro, quando sua sentença fosse lida pela juíza do caso, Pamela Chen.

Em reportagem publicada no último dia 10 de maio, o GloboEsporte.com detalhou os grampos que mostravam como funcionava a distribuição de propinas no Caso Fifa. CLIQUE AQUI para ler.

Trajetória

Descendente de libaneses, J. Hawilla começou na carreira de jornalista esportivo na década de 60. Nos anos 80, abraçou a carreira de empresário e comprou a até então desconhecida Traffic, que fazia publicidade em pontos de ônibus de grandes cidades.

Sob seu comando, a empresa passou a explorar a propaganda dentro dos gramados de futebol e se tornou a maior agência de marketing esportivo do país, sendo detentora dos direitos de exibição de importantes campeonatos de futebol no Brasil e no mundo.

Fora dos gramados, J. Hawilla investiu em meios de comunicação. Fundou a TV TEM, que surgiu com a compra das afiliadas da Rede Globo em Sorocaba, Rio Preto e Bauru e com a criação da emissora em Itapetininga. Também foi proprietário da rede de jornais Bom Dia, com presença em várias regiões do Estado.