Pontepretano

Derby Campineiro

Breves Comentários sobre sua História por José Moraes dos Santos Neto (profneto@pontepretano.com.br)

Carge

O futebol campineiro que teve como introdutor o escocês Thomaz Scott e seu filho John no Ginásio do Estado ( Culto á Ciência ) tem no Derby Ponte Preta e Guarani a maior expressão futebolística da cidade.

A história do Derby campineiro é um tema fascinante, através de uma pequena pesquisa histórica , desejamos contribuir um pouco mais para o tema. Podemos iniciar nosso pequeno artigo, com a história da rivalidade entre Ponte Preta e Guarani.

Sem dúvida não existia rivalidade alguma em 1911, nunca é demais relembrar que apesar de popular, o futebol era totalmente amador , prazer e recreação se misturavam a emoção de uma disputa acirrada, passamos 1911 sem nenhuma possibilidade de rivalidade, em 1912, exatamente em 02 de Março de 1912, Ponte Preta , Guarani e Comercial formaram um combinado local, o Vila Campinas Futebol Clube, esse combinado jogou contra um combinado entre a poderosa equipe do Americano e o do Instituto Cesário Motta.

A peleja foi realizada no campo do Americano, no final empate em dois gols. Antes da rivalidade, Ponte Preta e Guarani formaram até combinados. As escalações foram as seguintes : Vila Campinas : Jinger, Salgado, Benetti, Jacomelli, Camões, Toto,Zeca,Lili,Russo, Miguel e Valter. ( Gols de Lili e Russo ) Americano-Cesário Motta : Isaac, Leitão, Coriolano, Múcio, Ernesto, Ditinho, Tango,Américo,Accacio,Miloca e Ignácio. ( Gols de Miloca ).

Não era um fato raro os jogos entre combinados em Campinas entre 1900 até 1920, eram muito comuns, mas com a criação da Liga Operária de Futebol em abril de 1912, temos Ponte Preta e Guarani lutando pela conquista de um Campeonato, os jogos agora valem a conquista de uma Taça, foram dois os confrontos entre Ponte Preta e Guarani durante o Campeonato da Liga Operária de Futebol, o primeiro no dia 19 de Maio de 1912 no Campo do Hipódromo, vitória da Ponte Preta pelo placar de 2 x 1. Mas, voltamos a história do nascimento da rivalidade, a documentação secundária em jornais e os Arquivos primários pesquisados ( Arquivo Câmara Municipal, Arquivo Intermediário da Prefeitura Municipal de Campinas e Arquivo Ferroviário de Jundiaí) indicam o nascimento da rivalidade no confronto de 23 de Agosto de 1914 em Souzas, um simples amistoso foi transformado no início da grande rivalidade, mas temos apenas o começo de um processo, o ponto culminante deste processo se deu em 21 de Maio de 1916, este confronto marca definitivamente a rivalidade entre Ponte Preta e Guarani, se a gritaria já foi grande em 1914, em 1916 tudo foi relembrado com acréscimo, alvinegros e alviverdes nunca mais seriam os mesmos após os anos de 1914 até 1916, na verdade a cidade viu nascer definitivamente em 1916 a maior rivalidade futebolística do interior do Brasil.

A partir de 1916, seria comum nos jornais e nos ofícios mandados pelas duas agremiações para vários lugares da cidade, a grande preocupação com a peleja, tanto Ponte Preta como o Guarani, mesmo sendo totalmente amadores iriam preparar-se como nunca para os confrontos após 1916, rigorosos exercícios, punições pela falta nos treinos, ansiedade, existia já um clima muito competitivo, uma rivalidade que já agitava toda cidade.

Este início de rivalidade entre 1914 a 1916 construiu o que podemos denominar de “ espelhos do futebol campineiro “, tanto a Ponte Preta , como o Guarani tentam sempre espelhar-se, visando manter um equilibro futebolístico, inúmeros times de futebol campineiros desapareceram, vários eram formados pela elite econômica da cidade, mas os espelhos foram os únicos que atravessaram o século XX e chegaram no III Milênio na elite do futebol brasileiro.

O uso do termo Derby para designar grandes duelos futebolísticos foi muito difundido pelo jornalista Thomaz Mazzoni, o “Olímpicus “, antes dele outros jornalistas já haviam utilizado algumas vezes a palavra para designar pelejas importantes, foram eles, Virgílio Várzea e Max Valentim, aliás os artigos deste jornalista sobre a Ponte Preta são preciosos, foram escritos na década de trinta do século passado para o jornal Diário da Noite, quem estuda o futebol campineiro, Max Valetim é uma leitura obrigatória. Mas, realmente Mazzoni será o grande divulgador dos “Derbys “, Palmeiras e Corinthians, Ponte Preta e Guarani e outros.

A origem da palavra Derby remonta ao ano de 1770, o nobre inglês Lord Derby, desposou um exímia amazona, Elizabeth Hamilton, e deu uma magnifica festa de casamento no Castelo de Oaks, o ponto culminante da festa seria uma corrida de cavalos, o vencedor ganharia um prêmio. A partir deste ano, Derby virou sinônimo de disputa acirrada, competição que vale um prêmio, uma Taça, do Turf para o futebol foi obra do jornalismo esportivo nacional, idéia muito bem vinda, afinal Ponte Preta e Guarani realmente não é um jogo normal, existe uma memória , sentimentos , emoções que fazem deste jogo um “Derby “.

Entre 1900 até 1920, a prática do futebol era muito diferente da atualidade, o futebol só tinha sentido se fosse jogado para a frente, a marcação tinha um objetivo mais de retardar o ataque do que de destruir todas as investidas adversárias. A grande figura do time era sem dúvida o center-half, comandava as manobras de ataque, na equipe da Ponte Preta nos primeiros confrontos conta o Guarani, a posição era ocupada pôr Moraes ou Lili. O center forward alvinegro era sem dúvida Burghi, conhecido pelo apelido de Quinze, era um centroavante temido, já no Guarani Totó deveria ser o center-half.

No início a noção de cobertura era mais forte que a noção de marcação, pois vários jogadores trocavam de posições durante os jogos e na sua vida esportiva, Amparense, que ficou marcado como o primeiro grande arqueiro alvinegro começou como centoavante em 1908, passou pela ponta-direita, meia-direita, defensor até se firmar como goleiro.

Você sabia ?

1 - Na fase do amadorismo durante muitos anos a cidade ficou sem assistir um derbi , na década de vinte do século passado houve uma cisão no Campeonato Paulista , a Ponte Preta foi atuar na LAF ( Liga Amadora de Futebol) e o outro time da cidade na APEA ( Associação Paulista de Esportes Atléticos ) , foram quase 7 anos sem derbi.

2 - Até 1939 os jogos eram disputados em 80 minutos , o primeiro derbi com 90 minutos de duração ocorreu no dia 02/04/1939 e a partida acabou empatada em dois gols.

3 - O primeiro derbi transmitido ao vivo por uma emissora de rádio foi no dia 9 de julho de 1939 , a rádio PRC-9 ( atual Bandeirantes) com o locutor Jolumá Brito transmitiram o empate em dois gols dos times campineiros.

4 - O primeiro derbi disputado no Estádio Brinco de Ouro foi realizado no dia 7 de junho de 1953 e a Ponte Preta bateu seu rival por 3 x 0, gols de Nininho , Pitico e Noca , a partida fez parte do torneio de inauguração do estádio do GFC.

5 - Nosso maior artilheiro em derbis é o centroavante Cilas ( década de 40 do século passado) , que marcou 9 gols em derbis.

6 - “ Maior e mais importante derbi de todos os tempos “ Segundo a crônica esportiva e estudiosos do futebol o mais importante derbi campineiro aconteceu em 5 de agosto de 1981, decisão do I Turno do Campeonato Paulista , o vencedor já garantia sua participação não final do Paulistão , além de levantar o titulo do I turno.

Ponte Preta 3 x 2 GFC Estádio: Moisés Lucarelli Árbitro: José de Assis Aragão Público: 21.948 pagantes, 219 menores Ponte Preta Carlos , Toninho Oliveira , Juninho , Nenê , Odirley , Zé Mário , Humberto ( Marco Aurélio) , Dica , Osvaldo, Chicão ( Jorge Campos) e Serginho . Técnico Jair Picerni Gols da Ponte Preta : Osvaldo , Serginho e Ordiley.

7- Gigena em 2003 e Weldon em 2004 tornaram-se ídolos da nação pontepretana após marcarem 3 gols em um único derbi.